Quando alguém volta de viagem do Peru é muito comum ouvir a pergunta: “você foi a Machu Picchu“? Mas a grande verdade é que existem muitos outros pontos turísticos do Peru que não se restringem ao Vale Sagrado dos Incas.

O país possui uma grande diversidade cultural espalhada em seus 24 estados! A foto de abertura deste artigo é de Arequipa, cidade ao sul do Peru que é conhecida pelo rico conjunto arquitetônico composto por um casario colonial branco e pela proximidade com o cânion del Colca.

Banhado pelo Oceano Pacífico e berço de uma das mais antigas civilizações das Américas, o país merece ser desbravado além do óbvio. Por isso reunimos alguns pontos turísticos do Peru que merecem a sua atenção:

(Atualizado em 09/11/17)

1. Máncora: um dos melhores destinos de praia da América do Sul

Para começar a nossa lista, esse é um ponto turístico muito pouco conhecido para os turistas brasileiros e que ganhou o prêmio World Travel Awards 2016 como a melhor praia na América do Sul.

Banhada pelo Oceano Pacífico, Máncora está ao norte do país, próximo da fronteira com o Equador. Sua beleza é capaz de cativar até mesmo o turista menos adepto de praia. Uma das paisagens marcantes é o pôr do sol no mar.

Localizada à 1.165 km de Lima, a pequena vila de pescadores é o refúgio dos limenhos quando o inverno está forte na capital. Ainda é pouco explorada pelo turismo, mas com ótima estrutura de hotéis e restaurantes, é um excelente local para descansar e aproveitar as belas paisagens.

Máncora não tem aeroporto. Para chegar à vila, os visitantes podem pegar um voo até a cidade de Talara, que fica à 80 km de distância, ou até a cidade de Piura, localizada à 180km. Ao chegar em qualquer um dos aeroportos, é preciso pegar um ônibus com destino ao vilarejo.

Por ser uma cidade litorânea, a gastronomia local possui uma variedade de frutos do mar. Um dos pratos mais conhecidos é o ceviche, um prato típico da culinária peruana feito de peixe cru marinado no limão, e a prihuela, um caldo de pescados com os mariscos da região.

Como destino escolhido pelos turistas devido ao acesso ao mar, os hotéis e pousadas podem ser encontrados em praias, como Pocitas, Vichayito, Punta Sal, Punta Veleros e em alguns lugares de Máncora.

2. Museu Larco: a maior coleção de arte Inca

Para quem quer mergulhar na cultura Inca, Lima é o lar do museu com a maior coleção de peças dessa civilização. Há o Museu Arqueológico Rafael Larco Herrera, fundado em 1926 pelo agrônomo Rafael Larco Royle, que utilizou seus conhecimentos sobre solo e sobreposição de camadas de terra para determinar os períodos históricos e as civilizações a quem os objetos encontrados pertenciam.

Com um acervo de mais de 45 mil objetos, as galerias são organizadas de forma cronológica em diversas salas. O museu expõe em sua coleção de cerâmica várias peças que retratam o cotidiano das civilizações que fazem parte da história do país.

Além dessas peças em perfeito estado e quipus — peças formadas por linhas que eram usadas como sistema contábil —, o museu ainda conta com a Galeria Oro y Plata, que apresenta a maior coleção de joias do período pré-colombiano. São coroas, narigueiras, colares, anéis e outras peças ornamentais trabalhadas em ouro e pedras preciosas.

Outro grande atrativo do museu é a sua reserva técnica aberta à visitação com milhares de objetos. Os interessados em visitar o acervo ainda podem contar com a visitação com áudio-guia em seis idiomas (espanhol, inglês, francês, italiano, alemão ou japonês). O museu fica próximo ao Parque de Las Americas, no bairro Pueblo Livre, um dos mais antigos da capital peruana.

3. As misteriosas Linhas de Nazca

Alguns desenhos formados por linhas no solo foram descobertos no Deserto de Nazca em 1927. E se dissermos que eles têm centenas de metros e só podem ser observados do alto? Essas são as Linhas de Nazca.

Elas formam um conjunto de geóglifos reconhecido como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Ao retirar as pedras escuras que cobriam o deserto, o povo de Nazca desenhou essas linhas que formam figuras geométricas e animais entre 200 a.C e 600 d.C.

Com um passeio que dura de 30 a 45 minutos, é possível sobrevoar o deserto para observar os desenhos de escala gigantesca. Entre os mais famosos estão o colibri, a aranha, o cachorro, o papagaio e o macaco.

As linhas estão localizadas ao sul do Peru, cerca de 400 km ao sul de Lima, entre os Vales de Ingenho e Nazca. Para chegar à região, a maneira mais fácil é por meio da cidade de Cahuachi, que fica a uma distância de 30 km das obras.

4. Arequipa: a cidade ao pé do vulcão

Também ao sul do país está localizada a cidade que fica ao pé dos vulcões Misti, Chachani e Picchu Picchu. O Centro Histórico de Arequipa é considerado um Patrimônio Cultural da Humanidade desde 2000.

As construções da cidade são de uma beleza ímpar e a arquitetura exibe os traços da colonização espanhola. O local também é conhecido como a “Cidade Branca”, esse nome é devido às casas antigas serem feitas com sillas, um tipo de pedra branca vulcânica porosa extraída na região.

Na Plaza de Armas é possível observar o vulcão imponente despontando atrás da Catedral. O Mosteiro de Santa Catarina e a Igreja da Companhia de Jesus também são grandes destaques arquitetônicos, além da Casa Museu Mario Vargas Llosa, que conta a história do escritor ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 2010.

Localizada a uma distância de 1.012 km do sul de Lima, é a partir de Arequipa que se chega ao cânion mais profundo do planeta, o Cânion Del Colca, onde pode se avistar com certa facilidade os famosos Condores.

A culinária arequipenha traz pratos como sopas e frutos do mar, que incluem em sua preparação temperos, molhos picantes, uma mistura de produtos andinos e sabores fortes. Como pratos típicos da região, é possível encontrar o chupe de camarão, uma sopa de camarão fresco e peixe em que são adicionados legumes, e o rocoto rellen — rocoto é uma pimenta encontrada na região dos andes que é recheada com carne, azeite, cominho e queijo fresco.

Como as principais atrações de Arequipa estão no centro histórico, é indicado se hospedar próximo à Praça de Armas para visitar os principais pontos turísticos da cidade apenas caminhando.

5. As Ilhas Flutuantes de Puno

Na época dos Incas, havia um povo que não queria se incorporar à civilização: os Uros. Para fugir dos Incas eles construíram ilhas no Lago Titicaca usando uma planta aquática local, a totora.

As ilhas flutuantes abrigam famílias que mantém os hábitos e costumes dos seus antepassados. A mesma tecnologia é usada até os dias atuais para construir desde a fundação da ilha até as casas.

É possível visitar algumas dessas ilhas. Os moradores recebem os visitantes com muito entusiasmo para explicar sobre sua tecnologia, costumes e cultura. A gastronomia local tem como principais alimentos carnes, tubérculos, grãos e algumas ervas.

Para quem quer chegar às ilhas pelo Peru, é preciso pegar um ônibus que sai de Arequipa ou Cusco com destino a Puno. Quem quiser ir de avião pode pegar um voo de Cusco até a cidade vizinha de Juliaca e ir de táxi para a cidade.

Na região, é possível se hospedar em hotéis convencionais em Puno e realizar o passeio durante o dia no lago. Os visitantes interessados em conhecer a vida nas ilhas podem ficar hospedados nas casas flutuantes feitas de totora.

Além disso, ao final do passeio você pode levar para casa uma peça de artesanato feita pelas mulheres da ilha e um carimbo exclusivo no seu passaporte para guardar de recordação.

Agora que você conhece outros pontos turísticos do Peru já pode entrar em contato com a gente e ver quais são as opções de viagem que oferecemos. Para conhecer, basta acessar a nossa página.

Pacotes de viagem para Machu Picchu